Translate

sábado, 29 de julho de 2017

RESENHA HQ: Escolhas (2017)

ESCOLHAS (2017).

Roteiro: Felipe Cagno
Arte: Gustavo Borges
Cores: Cris Peter

“[...] se você desistiu tão facilmente apenas porque uma pessoa, não importa quem fosse, lhe disse que era impossível, você nunca quis ser (...) de verdade”. _Felipe Gagno
João Humberto, quando criança, adorava assistir o desenho animado do personagem Lobo Cinzento. Esse personagem o fez acreditar que era capaz dele, um dia, tornar-se um super-herói.
Ele então dedicou-se de corpo e alma para esse objetivo e, constantemente, teve que lutar pela descrença e pelas tentativas de desmotiva-lo, que vinham, até mesmo, das pessoas que ele mais amava. Mas isso nunca o fez desistir, pois sabia que sua esperança, um dia, seria gratificada.
Felipe Cagno e Gustavo Borges, em 2014, assistiram uma palestra do escritor estadunidense Scott Snyder, onde ele disse que tudo que escrevia colocava algo pessoal e que todos roteiristas deveriam fazer o mesmo. Isso inspirou-os e, então, surgiu Escolhas, o mais recente trabalho de ambos.
 Cagno escreveu a história ao lado de Borges, depois fez o roteiro, enquanto seu parceiro ficou por conta da arte. Com tudo feito eles chamaram Cris Peter que trabalhou as cores de uma forma majestosa. E ficou pronto um dos mais fantásticos trabalhos independentes dos quadrinhos brasileiros.
Escolhas mexe com o brio de todo fã de super-heróis, pois o desejo de ser um personagem que ajuda as pessoas com seus poderes e inspira outras, sempre foi o que motivou um fã, principalmente na sua infância. Levar isso para a vida adulta como um objetivo de vida, torna-se algo motivador. Lógico que não de virar um super-herói, mas de não desistir dos seus sonhos, mesmo que tenham barreiras e obstáculos que tentem impossibilitar suas realizações. Felipe Cagno – acho eu – sempre desejou ser um grande roteirista e, hoje, têm trabalhos fantásticos como Lost Kids, 321 – Fast Comics e Os Poucos & Amaldiçoados (que já está em sua segunda campanha no Catarse). Não tenho certeza – também –, mas Gustavo Borges deve ter sonhado em realizar grandes trabalhos, daí então criou Morte Crens, Edgar e Pétalas, entre outros trabalhos. Cris Peter – vamos lá, novamente – deve ter pensado que seus trabalhos gráficos um dia deixariam sua marca no mundo, hoje ela já tem trabalhos de coloração em editoras estadunidenses do porte de Dark Horse Comics, Marvel Comics, além de realizar vários outros trabalhos junto com artistas brasileiros como Gabriel Bá, Fabio Moon, Gustavo Borges, entre outros. Isso, sem contar que podemos acompanha-la em seu site Cris Peter Digital Colors. Todos os roteiristas e artistas brasileiros vêm buscando isso, realizações com seus trabalhos e vêm desenvolvendo produções independentes, em geral, fantásticas. Eles têm uma forma de fazer isso, já que não contam com grandes indústrias de quadrinhos para lançar seus trabalhos, o site de apoio coletivo Catarse, onde Escolhas teve um apoio de 268%.
É maravilhoso vermos um trabalho tão bem feito, tão motivador sendo realizado, publicado e vendido em livrarias e lojas especializadas, tendo uma editora de livros apoiando, o que se torna um fato muito revelador, já que sempre é bem complicado e alguns artistas, as vezes, precisam criar suas próprias editoras para publicar seus trabalhos.

Escolhas é uma realização fantástica. Vou ser repetitivo, mas ela motiva qualquer um a acreditar em si mesmo e fazer o melhor para nunca desistir, acreditando em si, mesmo que os outros duvidem.